Os Sintomas Mais Comuns de Diabetes Tipo 2

Mais de 25 milhões de pessoas nos Estados Unidos vivem com Diabetes Tipo 2; entretanto, a maioria dessas pessoas não sabem que sofrem da doença porque seus sintomas parecem mais desconfortos do que sinais de uma perigosa condição. É sempre importante saber quais são os sintomas mais comuns para poder reconhecer qualquer doença que você possa estar enfrentando.

Aqui estão os 20 sintomas mais comuns da Diabetes Tipo 2…

1. Dormência

A dormência que começa com um formigamento nas mãos, dedos, pernas e pés normalmente é um sinal precoce de diabetes. Isso ocorre devido ao aumento do nível de açúcar no sangue, causando uma diminuição no fluxo sanguíneo nas extremidades; e eventualmente causando danos nas fibras nervosas. Para muitos, essa dormência é normalmente o primeiro sinal de algum problema de saúde.

A dormência causada pela diabetes normalmente se apresenta como fisgadas, formigamento ou dores nas mãos e pés que começam aos poucos e, conforme vai ocorrendo o dano nas fibras nervosas (que às vezes podem levar anos), essa dormência pode se tornar crônica e bastante dolorosa, atingindo funções motoras e sensoriais assim como as respostas do sistema nervoso, autônomo e involuntário, com repentinos e dolorosos formigamentos nos dedos das mãos e dos pés, mãos, pernas e braços e pode ser acompanhado de perda de massa muscular nas mãos e pés.

2. Aumento da Micção

Normalmente, os diabéticos sentem uma vontade descontrolada de urinar, e quando eles vão ao banheiro, a quantidade de urina é bastante significante. Esse aumento de micção é o que normalmente leva a pessoa a procurar um médico e ao diagnóstico de diabetes tipo 2. Essa condição usualmente leva a uma desidratação severa. Então, é vital se manter hidratado. Com a desidratação, o sistema imune é enfraquecido, deixando você sujeito a todo tipo de doenças e até danos à função renal.

Poliúria é o termo que os médicos usam para se referir ao aumento da micção. É uma condição que causa o aumento da quantidade de urina acima do normal, em enormes quantidades (chegando a ser três litros por dia, comparado à média de um a dois litros por dia), cada vez que você vai ao banheiro. Poliúria é um sintoma comum da diabetes tipo 2 (e também da diabetes tipo 1).

3. Perda de Peso

A perda de peso rápida e sem explicação é comum na diabetes porque o corpo não consegue absorver a glicose (açúcar) de forma correta. Isso acontece em particular com a diabetes tipo 1 não tratada. Entretanto, pacientes diagnosticados com a diabetes tipo 2 também podem sofrer considerável e repentina perda de peso sem uma causa óbvia (por exemplo, sem exercícios físicos ou mudanças na alimentação).

Quando o nível de hormônios do seu corpo não estão regulados, ele começará a queimar gordura e músculos como fonte de energia. Obviamente, isso irá reduzir o peso corporal. Se você tem uma queda repentina de peso, entre 2,5kg e 5kg em menos de seis meses, converse com seu médico imediatamente. Ele irá solicitar exames de sangue para determinar se você tem diabetes e começar o tratamento de forma imediata para controlar o nível de açúcar no sangue.

4. Aumento de apetite

Um aumento de apetite normalmente aparece com a perda de peso, o que talvez te faça sentir com sorte no começo já que você acredita que pode comer qualquer coisa sem aumento de peso. Entretanto, seu corpo está em um estado diabético, roubando a energia essencial das suas células, o que explica o aumento de apetite que comumente aparece logo depois de uma refeição.

O aumento do apetite e o consumo de mais calorias do que seu corpo necessita poderá gerar aumento de peso. É normal ter um aumento de apetite após atividades físicas, mas ela deve passar depois de se alimentar. Porém, um aumento significativo do apetite por um longo período de tempo pode ser sintoma de alguma doença, como diabetes ou hipertireoidismo. Se você sente fome de forma excessiva, mesmo depois das refeições, marque uma consulta para ver seu médico.

5. Visão Embaçada

Talvez você já saiba que diabetes pode levar a problemas de visão e até mesmo cegueira se não for tratada. Visão embaçada é um dos sintomas comum de diabetes tipo 2. Isso ocorre quando o nível de glicose tem picos, prejudicando os vasos sanguíneos e restringindo o fluxo de fluidos para os olhos. Se o diagnóstico de diabetes não é feito, o paciente pode sofrer completa perda de visão. De acordo com a Associação Americana de Diabetes, pacientes com diabetes tem um grau de risco maior para doenças oculares e cegueira que aqueles sem a doença. E por isso os exames de vista devem ser regulares.

Pacientes com diabetes também têm chances 40% maiores de desenvolver glaucoma (uma condição que aumenta a pressão ocular e causa dano ao nervo da retina) comparado com pacientes não diabéticos. Estatísticas da Associação Americana de Diabetes mostram que quanto mais tempo o paciente sofre de diabetes, maior é o risco de desenvolver glaucoma. Assim como o risco de catarata (embranquecimento do cristalino ocular) é 60% maior em pacientes com diabetes.

6. Pele Ressecada

Diabetes tipo 2 pode afetar cada parte do corpo, incluindo a pele. Quando a diabetes afeta a circulação de sangue, nossas glândulas sudoríparas irão se tornar desequilibradas, resultando em uma pele desidratada, escamosa e irritada. Por isso, problemas de pele comumente são o primeiro indicativo de diabetes. Felizmente, com o tratamento de diabetes a maioria das doenças de pele podem ser prevenidas e curadas se forem identificadas a tempo.

Pacientes com diabetes não diagnosticada são mais propensos à doenças de pele, incluindo dermopatia diabética, infecções fúngicas, úlceras diabéticas, infecções bacterianas, pele ressecada e com coceira devido a pouca circulação de sangue nas extremidades das pernas, necrobiose lipoídica diabética, furúnculos, carbúnculos, xantomatose eruptiva e infecções nas unhas das mãos e dos pés.

7. Fadiga Inexplicável

Fadiga é um dos sintomas mais predominantes e frustrantes da diabetes. Fadiga repentina por atrapalhar cada aspecto da sua vida (como a vida social, carreira, família). Até mesmo hobbies pelos quais você era apaixonado podem ser deixados de lado, porque simplesmente você não tem energia.

Quando a glicose no sangue é alta, como na diabetes tipo 2, seu sangue pode se tornar mais grosso e com aparência lamacenta, resultando na diminuição de circulação que previne o transporte de nutrientes vitais e oxigênio para as células. Isso também pode ocorrer quando o açúcar no sangue é baixo, diminuindo a quantidade de energia do corpo. Muitas pessoas com diabetes tipo 2 também sofrem de exaustão extrema por causa da inflamação dos vasos sanguíneos.

8. Sede Insaciável

Nós já esclarecemos que a diabetes tipo 2 pode aumentar a micção, tanto na frequência quanto na quantidade de urina em cada ida ao banheiro. Esse aumento da vontade de urinar irá levar rapidamente à desidratação. O corpo irá pedir que a quantidade de líquido perdido seja reposto e uma insaciável sede será o resultado direto dessa perda de fluidos.

Contudo, diabéticos também podem ter bastante sede por outros motivos. Por exemplo, a alta quantidade de açúcar no sangue pode causar a sensação de boca seca, desidratação e aumentar a sede em pessoas com diabetes não diagnosticada. Uma vez que o açúcar no sangue está controlado, a sede irá voltar ao volume normal. A condição conhecida como diabetes insípido, que impacta nos rins por causa dos hormônios, também pode aumentar a vontade de urinar, a sede e a desidratação.

9. Cicatrização Lenta de Cortes e Machucados

Você deve ter notado que a cicatrização demora muito mais que o normal quando sofre algum corte ou machucado. Feridas, queimaduras, escoriações ou dores que levam mais tempo que apenas algumas semanas para cicatrizar tem uma propensão maior à infecções e normalmente irão precisar de cuidados médicos, o que pode indicar alguma doença básica não diagnosticada, como a diabetes. Esse processo lento de cicatrização é resultado dos níveis altos de glicose no sangue que enfraquecem o sistema imune.

Isso também se dá por esse alto nível de glicose no sangue que gradualmente causa danos aos nervos. Neuropatia (“Doença dos Nervos”) pode causar uma baixa circulação de sangue com o tempo, impedindo o transporte de sangue novo para a cicatrização da pele.  No caso de queimaduras, dores e feridas que demoram muito tempo para cicatrizar, infecções bacterianas e fúngicas e eventualmente gangrena podem se desenvolver.

10. Gengivas Irritadas

Muitas vezes, pessoas que sofrem de diabetes tipo 2 notam suas gengivas avermelhadas, inchadas e irritadas. Elas também podem, literalmente, ver a gengiva recuando além de apresentar infecções, eventualmente resultando em alguma doença. De acordo com pesquisadores da Universidade Marquette, doenças periodontais (doenças nas gengivas) e diabetes podem na verdade alimentar um ao outro, causando mais danos em cada doença. Isso significa que as doenças periodontais contribuem para a diabetes e vice e versa.

Uma pesquisa da Academia Americana de Periodontologia (AAP) mostra que pacientes com diabetes não tratada estão particularmente em risco de doenças periodontais. A razão por trás disso é que ambos, doenças periodontais e diabetes, estimulam inflamações pelo corpo todo, e se você considerar as inflamações em partes essenciais do corpo, como  vasos sanguíneos, essas inflamações podem resultar em todos os tipos de problemas, incluindo derrame, doenças renais, doenças cardíacas, entre outras.

11. Sensação de Boca Seca

Sensação de boca seca é outro sintoma comum da diabetes tipo 2. Na verdade, é considerado um dos sintomas mais comuns e pode afetar também quem sofre de diabetes tipo 1. Mesmo que as razões exatas atrás disso sejam desconhecidas, acreditam que o alto nível de açúcar no sangue pode ser um dos responsáveis. Outra causa potencial pode ser a desidratação (como resultado a sede insaciável mencionada anteriormente) e algumas medicações usadas no tratamento de diabetes.

Como saber se você tem boca seca? Além da redução da quantidade de saliva, Healthline.com indica que os sintomas comuns incluem “língua áspera e seca,” “lábios rachados,” e “dificuldade de engolir, falar ou mastigar.”

12. Frequentes Infecções Fúngicas

Enquanto muitas mulheres já sofreram com infecções fúngicas (normalmente chamadas de candidíase), a frequente reincidência da doença pode indicar diabetes tipo 2. De acordo com Everyday Health, isso acontece especialmente em casos onde a mulher tem “níveis de açúcar abaixo do normal”.

Mesmo que não seja clara a conexão entre o alto nível de açúcar no sangue e infecções fúngicas, a fonte diz, “Os fungos recebem energia do açúcar, então em um ambiente úmido e com açúcar, os fungos podem se multiplicar, ” gerando a infecção. Como a diabetes suprime o sistema imune, pode ser um desafio se livrar da infecção uma vez que ela começa.

13. Manchas Escuras na Pele

A pele ressecada e escamosa citada anteriormente não são os únicos problemas de pele que podem afetar aqueles com diabetes tipo 2. Em alguns casos, a Clínica Mayo diz que “manchas escuras, pele aveludada nas dobras do seu corpo” podem desenvolver, principalmente na parte de trás do pescoço, axilas, ou nos cotovelos e joelhos.

Essa condição conhecida como acantose nigricans normalmente indica uma grande produção do hormônio que regula a glicose no sangue. Nas pessoas com diabetes, esses níveis altos de açúcar ocorrem porque eles desenvolvem uma resistência onde o corpo não consegue usar toda a glicose que está criando. Isso gera um acúmulo que “faz com que células normais de pele se reproduzam um ritmo rápido,” resultando nessas manchas escuras na pele.

14. Disfunção Erétil

Nos homens, a diabetes tipo 2 pode causar problemas para ter ou manter uma ereção, também conhecida como disfunção erétil (ED). Mesmo que essas duas condições pareçam não estar relacionadas, Healthline diz, “Elas tendem a andar de mãos dadas,” já que aqueles com diabetes “têm duas ou três vezes mais chances de desenvolver disfunção erétil.”

Então, qual a conexão? A fonte diz que o alto nível de açúcar no sangue pode causar danos ao sistema circulatório e nervoso além de danos aos vasos sanguíneos e nervos “podem impedir a habilidade do homem de atingir a ereção por tempo o suficiente para ter relações sexuais.”

15. Infecções Frequentes e Recorrentes

Infecções frequentes e recorrentes são outro sinal de alerta para a diabetes tipo 2. Infecções de bexiga, em particular, são especialmente comuns entre diabéticos, por causa do nível alto de açúcar no sangue. Pessoas com diabetes nem sempre sentem a dor associada à infecção de bexiga, o que faz com que não percebam o problema até ele ter se espalhado para os rins.

Infecções nos pés também são comuns em diabéticos, como Everyday Health mostra, diabetes tipo 2 “pode danificar a arquitetura do pé, incluindo a pele, vasos sanguíneos e nervos.” Essas infecções tendem a não se expor até a doença estar em um estágio avançado.

16. Dores de Cabeça

Uma das dores mais comuns que o ser humano pode sentir é a dor de cabeça. Enquanto ela pode aparecer por causa de várias doenças, também pode ser um sintoma de diabetes tipo 2. A dor de cabeça em si pode não ser prejudicial, mas pode se tornar um problema se for frequente. Healthline diz que elas aparecem em diabéticos quando o nível de sangue está muito alto ou baixo.

Pessoas com diabetes têm uma chance maior de desenvolver dores de cabeça do que pessoas sem a condição. Isso pode ocorrer quando seu nível de açúcar no sangue fica muito alto (chamado hiperglicemia) ou quando fica muito baixo (chamado hipoglicemia). A melhor forma para um diabético diminuir a quantidade de dores de cabeça é acompanhando a glicose no sangue.

17. Danos nos Nervos

Algumas pessoas com diabetes tipo 2 podem ter danos nos nervos. Essa condição é formalmente conhecida como neuropatia diabética e é comumente causada pelo alto nível de açúcar no sangue. É um sintoma comum que pode impactar até 50 por cento de diabéticos, de acordo com a Clínica Mayo.

Existem diferentes tipos de neuropatías diabéticas. A maioria das pessoas sente formigamento, dores ou dormência nas mãos e pés. Mas também podem ocorrer em outras partes do corpo como estômago, intestinos, bexigas, órgãos genitais ou até mesmo no coração.

18. Perda de Consciência

Pessoas com diabetes tipo 2 podem sentir fraqueza, tontura ou até mesmo perda total de consciência. Isso provavelmente acontece por uma condição chamada hipoglicemia. Isso ocorre quando o nível de açúcar no sangue cai. Quedas agressivas de açúcar no sangue podem causar desmaios.

A única maneira de saber se esses sintomas são hipoglicemia é fazendo um exame de sangue. Aqueles que já foram diagnosticados com diabetes tipo 2 também podem ter esses sintomas como resultado de certas medicações do tratamento.

19. Cetoacidose Diabética

Uma das complicações que os diabéticos tipo 2 podem desenvolver é a cetoacidose diabética. Isso ocorre quando o corpo não consegue mais produzir insulina. A cetoacidose diabética tem sua própria lista de sintomas e sinais de alerta. Também pode ser o primeiro indicativo de que a pessoa tem diabetes.

Os sintomas de cetoacidose diabética podem se desenvolver rapidamente. Alguns deles incluem:

  • Sede excessiva
  • Náuseas
  • Dores de estômago
  • Perda de fôlego
  • Nível alto de açúcar no sangue
  • Nível alto de cetona na urina

Você pode encontrar informações mais específicas sobre a cetoacidose diabética em pesquisas online.

20. Algumas Pessoas Podem Não Apresentar Sintomas no Início

Mesmo tendo vários sintomas relacionados à diabetes tipo 2, é possível que algumas pessoas não apresentem nenhum sintoma. Diabetes tipo 2 se desenvolve lentamente com o tempo. Isso significa que algumas pessoas podem não apresentar sintomas perceptíveis por anos.

A melhor maneira de monitorar qualquer mudança na sua saúde é fazendo check ups regularmente com seu médico. Como qualquer pessoa pode desenvolver diabetes tipo 2, você também deve descobrir se tem ou não algum fator de risco. Isso irá ajudar a entender melhor suas chances de desenvolver essa doença.

Avatar

ActiveBeat Português

X